Educação Religiosa


30 – Obadias


IntroduA�A?o ao Livro de Obadias

 

O livro de Obadias A� o mais curto do Antigo Testamento; possui apenas 21 versA�culos. A biografia de Obadias ainda A� um tema discutido entre os estudiosos, pois quase nada se sabe sobre o profeta. A tradiA�A?o judaica de que o autor do livro foi o mordomo do rei Acabe nA?o se apoia em nenhuma evidA?ncia ou confirmaA�A?o histA?rica (Talmude: Sanhedrin 39b; 1 Rs. 18:3-16).

A dificuldade se encontra na identificaA�A?o do personagem, pois os orA?culos apresentados nA?o identificam o profeta nem a A�poca em questA?o. Seu nome significa servo de JavA�, um nome bastante comum em Israel. Este nome estA? associado a mais de uma dezena de personagens no Antigo Testamento em diferentes momentos da histA?ria.

O assunto principal do livro de Obadias A� a sua reaA�A?o diante do crime e oportunismo de Edom para com JudA?, seu irmA?o. Os crimes descritos por Obadias podem ser situados em dois perA�odos entre 850 a.C e 400 a.C:

 

  • Os filisteus e A?rabes invadem JerusalA�m por volta de 844 a.C no reinado de JeorA?o: 2 Rs. 8:16-20 e 2 Cr. 21:16-17

  • Os babilA?nios sitiam, invadem e destroem JerusalA�m em 587 a.C: 2 Rs. 25:1-12 e A�Ez. 25:1-3

A segunda opA�A?o parece ser mais plausA�vel do ponto de vista do verso 11. Portanto, as profecias de julgamento contra JerusalA�m se cumpriram. A BabilA?nia invadira a terra, levara cativo o rei, devastara o templo, levando milhares de hebreus para o exA�lio. Embora o castigo de JudA? fosse merecido, as naA�A�es ao redor, especialmente Edom, aproveitaram-se da fragilidade momentA?nea de JudA? para promover saques e o massacre A�tnico contra os seus habitantes.

Outras caracterA�sticas que reforA�am a dataA�A?o pA?s exA�lica sA?o os paralelos que Obadias faz com Jeremias 49:7-22 citando uma tradiA�A?o mais primitiva e o termo exilados no verso 20 referindo-se aos israelitas.

A gravidade destes orA?culos contra Edom reside no parentesco entre Edom e Israel, que foram respectivamente os patriarcas EsaA? e JacA?, filhos de Isaque e Rebeca (Gn. 25:23-26). A naA�A?o de Edom vivia nas montanhas e tinham uma organizaA�A?o social estruturada desde a A�poca dos patriarcas (Gn. 36:1-30) e adotaram o governo monA?rquico antes do ASxodo dos hebreus do Egito. Nesta A�poca os edomitas negaram a passagem dos israelitas pelo leste mostrando seu potencial militar (Nm. 20:14-21; 21:4).

A data da destruiA�A?o de Edom nA?o pode ser precisada, mas, no tempo do profeta Malaquias (500 – 400 a.C.) a naA�A?o jA? estava arruinada (Ml. 1:2-4). Por volta de 312 a.C. (domA�nio grego) os A?rabes nabateus tomaram as terras edomitas e expulsaram os sobreviventes para a IdumA�ia, ao norte. No Novo Testamento o representante mais famoso desse povo foi Herodes, o grande.

 

Estrutura de Obadias

 

Obadias pode ser esboA�ado da seguinte forma:

 

  • CabeA�alho – 1a

  • OrA?culo contra Edom – 1b – 14

    • O julgamento A� anunciado – 1b – 9

    • AcusaA�A?o de crueldade contra seu irmA?o JudA? – 10 – 14

  • A descriA�A?o dia do Senhor – 15 – 21

    • O julgamento de todas as naA�A�es – 15 e 16

    • O livramento de JudA? – 17 e 18

    • O estabelecimento do Reino de JavA� – 19 – 21

 

Obadias nA?o A� o A?nico com profecias dirigidas a Edom. Outros orA?culos estA?o registrados em: Is. 21:11-12; 34:5-17; Jr. 49:7-22; Ez. 25:12-14; 35:1-15; Am. 1:11-12. A recorrA?ncia aos edomitas nas profecias do Antigo Testamento surge desde a bA?nA�A?o de Isaque para EsaA? (Gn. 27:39-40) atA� a confirmaA�A?o da destruiA�A?o total de Edom em Malaquias (Ml. 1:2-4) .

O termo visA?o que Obadias usa pode se referir ao processo de comunicaA�A?o entre Deus e o profeta bem como ao mA�todo propriamente dito. A brevidade da mensagem de Obadias pode ser explicada pela visA?o que o Senhor lhe dera; desta maneira, o destino de Edom, visto com antecedA?ncia, pouparam-lhe as palavras.

Conforme visto anteriormente, Obadias repete um trecho jA? citado por Jeremias (compare Ob. 1b, 4-6 e Jr. 49:9-10,14-16). A explicaA�A?o mais adequada A� que ambos os profetas tenham utilizado uma fonte comum antiedomita mais antiga.

Do ponto de vista literA?rio, Obadias constrA?i sua mensagem com a tradicional estrutura profA�tica, contendo:

 

  • As acusaA�A�es dos pecados

  • O julgamento divino

  • A promessa de restauraA�A?o

 

A mensagem de Obadias pode ser organizada em quatro partes :

 

  • Primeira parte: descriA�A?o da ruA�na total de Edom. Mesmo as fortificaA�A�es mais inacessA�veis serA?o aniquiladas. Seu motivo de orgulho, os guerreiros e sA?bios, seriam destruA�dos. Edom serA? saqueada pelas naA�A�es nas quais confiava.

  • Segunda parte: descriA�A?o dos crimes contra a humanidade de Edom. A violA?ncia injustificada e a falta de compaixA?o de Edom contra JudA? sA?o as causas do julgamento de Edom.

  • Terceira parte: anA?ncio do dia do Senhor como um dia de julgamento contra Edom. Essa mensagem para Edom servia para todas as demais naA�A�es inimigas de Israel.

  • Quarta parte: descriA�A?o da ruA�na de Edom e restauraA�A?o de Israel.

 

PropA?sito e conteA?do

 

O profeta Obadias trata dos seguintes assuntos:

 

  • A soberania de JavA� sobre as naA�A�es

  • A restauraA�A?o de Israel

  • O conceito de retribuiA�A?o

 

Obadias, como mensageiro de JavA�, tratou sobre a restauraA�A?o de Israel e o julgamento de todas as naA�A�es que cometeram crimes contra a humanidade. Obadias utilizou-se do tema do Dia do Senhor, comum aos profetas, para predizer o livramento de JerusalA�m e declarar o domA�nio universal do Senhor sobre todos os povos. A puniA�A?o de Edom serviria de aviso a todas as demais naA�A�es acerca da retribuiA�A?o que teriam pela maneira injusta A� qual submeteram os israelitas.

Mais importante do que a puniA�A?o a Edom o livro de Obadias mostra o amor e cuidado do Senhor pelo povo da AlianA�a.

Orgulho

O orgulho foi uma das grandes tragA�dias do povo edomita. Sua confianA�a se baseava inteiramente em seus sA?bios e guerreiros. Obadias demonstra que esses mesmos sA?bios nA?o livrariam Edom da pilhagem de sua colheita e tesouro (Ob. 5-6). Esse orgulho transformou-se em crueldade e impediu a compaixA?o, por isso o Senhor condena A�os orgulhosos (Pv. 16:18). Enfim, toda a sabedoria de Edom foi inA?til diante do julgamento pelo qual passou. O Novo Testamento confirma esse conceito afirmado que isso acontecerA? com todos aqueles que usarem da sabedoria humana em confronto com Deus (1 Co. 1:18-31).

 

O dia do Senhor

A partir do verso 15 hA? a mudanA�a de A?nfase do julgamento individual de Edom para todas as naA�A�es. Esta mudanA�a pode ter dois objetivos bA?sicos A� luz da teologia do Antigo Testamento:

 

  • atender A� expectativa de Israel com relaA�A?o A� sua vindicaA�A?o por justiA�a naquele momento

  • renovar a esperanA�a de Israel em relaA�A?o ao triunfo final de JavA� sobre as naA�A�es com o estabelecimento de seu Reino. Este A� um tema recorrente no Antigo Testamento que foi trabalhado por outros profetas (Is. 24 – 27; Jr. 29 – 33; Ez. 33 – 35; Os. 13 – 14; Am. 9).

 

O tema do dia do Senhor traz o ensinamento de que JavA� A� um Deus que exige justiA�a; nA?o apenas em um futuro escatolA?gico, mas tambA�m nesta era. Embora seja misericordioso, que estende sua paciA?ncia, fica claro que ele nA?o tolera a injustiA�a para sempre. Ele pune a desobediA?ncia.

 

RestauraA�A?o de Israel

Seguindo a tendA?ncia teolA?gica de outros profetas, Obadias tambA�m trata sobre a restauraA�A?o do remanescente de Israel (Jl. 3:17-21; Am. 9:11-15; Mq. 7:8-20). Obadias cita os nomes dos patriarcas para promover a esperanA�a de que os exilados veriam as promessas cumpridas, reforA�ando, desta maneira, a fA� do povo judeu em JavA� como um Deus fiel A� sua Palavra (Sl. 115; Mq. 7:20).

Este ensino A� intensificado por outros profetas que trabalham o tema do domA�nio eterno de JavA� por meio do Messias vindo no Dia do Senhor (Ez. 37:24-28; Dn. 2:44,45; Zc. 12:3 – 13:6).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>